Teologia da Espiritualidade: a espiritualidade católica



(Esta postagem é um resumo de uma aula ministrada em um curso rápido de espiritualidade cristã. Para ler a postagem da aula anterior clique aqui.)


Não existe culto sem liturgia, por mais informal do que seja, entretanto, o catolicismo é bastante litúrgico, no sentido de que existem formas prescritas para se cultuar a Deus. A missa (sacrifício), de modo geral, é divida pelo menos em dois momentos básicos, quais sejam, a liturgia da Palavra e a liturgia Eucarística. No início, é recitado o Kyrie Eleison, e há uma rápida absolvição dos pecados do povo. Durante a liturgia da Palavra são lidas diversas passagens, sendo uma do Antigo Testamento, outra do Novo, um Salmo (feito de forma cantada, ou responsiva) e a leitura do evangelho, seguido de uma homilia. As leituras são as mesmas realizadas em todas as paróquias do mundo, não havendo, s.m.j., liberdade para que o oficiante escolha outras leituras, pois é seguido um calendário litúrgico universal. Após o recolhimento das ofertas, que são levadas ao altar, realiza-se a oração Eucarística. Embora as formas litúrgicas, de modo geral, sejam fixas, há muitas variações de ritos.


Há também muitas ordens religiosas, com suas ênfases próprias. Temas próprios para a espiritualidade é o silêncio, o jejum, a oração, a penitência, a pobreza, a ascese, entre muitos outros. Para manter toda essa variedade em meio a uma única instituição, no catolicismo há uma forte concepção teológica acerca de sua própria hierarquia celibatária, composta de bispos, presbíteros e diáconos. Entende-se que a liderança da igreja é exercida pelos bispos em comunhão com o bispo de Roma, e que estes estão ligados aos apóstolos por uma cadeia sucessiva de ordenações, o que é chamado de sucessão apostólica, daí, uma noção muito cara ao catolicismo, que é o caráter divino da própria instituição igreja, o que fundamenta o voto de obediência que é feito por muitas ordens religiosas.

Em sua espiritualidade, o catolicismo conta ainda com a possibilidade de utilizações de imagens dos santos, que foram pessoas notadamente reconhecidas pela igreja pela sua vida e santidade. Daí há um grande desenvolvimento da arte sacra. Acreditam que estes santos podem interceder pela igreja, sendo que a principal intercessora seria a Virgem Maria, imaculada desde o seu nascimento, recebendo esta, de certa forma, um culto autônomo, dependendo em muitas ocasiões da localidade (o culto mariano no Brasil e no México, por exemplo, é muito forte, diferente de outros países da América Latina e da Europa). Comum é a utilização do rosário e a realização das novenas. As litanias, que são realizadas em algumas ocasiões especiais, fazem referência de vários santos, desde os tempos primitivos, com o intuito de dar esta sensação ao fiel de que pertence a uma igreja muito antiga, que remonta aos tempos apostólicos.

O catolicismo é ainda bastante sacramental, sendo reconhecidos sete sacramentos. O sacramento principal é a Eucaristia, entendida esta como a “presentificação” do corpo e do sangue de Cristo, ato máximo de adoração do fiel. O batismo, a confissão, o casamento, a ordenação também são sacramentos da igreja. A expressão protestante mais próxima do catolicismo está no “alto anglicanismo” e em certas manifestações do luteranismo. Enfim, a espiritualidade católica é riquíssima em sua variedade, e influencia ou influenciou toda a cristandade ocidental, talvez mundial.

Comentários

  1. Carlos, faltou falar do Ofício Divino, que, depois da Missa, é a oração mais importante na Igreja Católica.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Thiago!
      Paz e bem!
      É verdade, você tem razão!
      Na aula que ministrei não falei nada sobre o Ofício Divino. O tempo era curto demais, mas vou estudar melhor esta questão e tentar corrigir esta falha da próxima vez que dar aula e ministrar sobre este assunto.
      Obrigado por ler esta postagem.
      Você comentando e apontando os erros de minhas postagens, principalmente quando me aventuro a falar sobre catolicismo já me dá bastante segurança.

      Excluir
    2. Obrigado pelas palavras, Carlos.

      Se você se interessar pela história do Ofício Divino do rito romano, tenho um texto aqui: http://apologetica.ning.com/profiles/blogs/breviario-liturgia-das-horas#.Udrg-6ytr4Y

      Excluir
    3. Tenho interesse sim, Thiago! Vou ler o texto sim! Obrigado pela indicação.

      Excluir

Postar um comentário

Mais visitadas do mês

Manaém, o colaço de Herodes

Resenha da obra "Ego Transformado", de Tim Keller

Aprendendo com os erros do Rei Amazias

Acolhei ao que é débil na fé - uma reflexão sobre romanos 14.1

Os discípulos ocultos de Jesus

E não endureçais os vossos corações (Hebreus 3.7-13)

Panorama do Novo Testamento: O Evangelho de João

A fé segundo Rubem Alves

As atitudes missionárias de Jesus

FONTES DA TEOLOGIA