Aliança

Entre pastores e fiéis não existe um contrato. Existe uma aliança (Henri Nouwen).

De fato, se contrato um dentista e ele não me atende como eu gostaria, eu posso dispensá-lo e contratar outro. Assim também com o advogado, o psicólogo, o carpinteiro. Entretanto, com o ministro do evangelho não é assim. Se eu e ele estamos no mesmo ministério, não há uma relação contratual. Não é porque sou dizimista, contribuinte, que o ministro é o meu empregado. Não. Com ele sou aliançado.

Assim também, da perspectiva do ministro, se o fiel vai embora, se desliga, começa a dar trabalho, não se pode considerar o contrato como quebrado. Alguém há de permanecer fiel nesta relação, mesmo que o outro se torne infiel, mesmo que o outro se vá. Pois o que existe, não é o contrato, e sim uma aliança. E o desejável é que alianças não sejam facilmente quebradas, embora isso possa ocorrer.

Comentários

Mais visitadas do mês

Manaém, o colaço de Herodes

Aprendendo com os erros do Rei Amazias

Os discípulos ocultos de Jesus

Resenha da obra "Ego Transformado", de Tim Keller

E não endureçais os vossos corações (Hebreus 3.7-13)

Panorama do Novo Testamento: O Evangelho de João

Acolhei ao que é débil na fé - uma reflexão sobre romanos 14.1

FONTES DA TEOLOGIA

Considerações acerca das bem-aventuranças

Quem veio primeiro: A Igreja ou as Escrituras?