Educação resolve tudo?...


Estou tendo o privilégio de almoçar com pessoas mui ilustres, ultimamente.

E hoje, almocei com um bacharel em Direito, e, por incrível que pareça, também falamos sobre política!

Não é legal? Bachareis em Direito também pensam, falam em política, filosofam, além de ficarem estudando para concurso público...

Este meu amigo disse que, se pudesse, na política, daria prioridade a dois assuntos principais: saúde e educação.

Sobre saúde, é verdade. Quem é que consegue fazer alguma coisa sem saúde, não é mesmo?

Melhor ter saúde do que ser milionário, pois, no final das contas, tudo o que temos somos nós mesmos, e olha lá...

Mas sobre educação...

Será que ela por si só realiza e constitui uma sociedade melhor, mais civilizada?

Lembrei-me, na hora, do caso alemão. Dizem que a Alemanha nazista tinha mais número de doutores por metro quadrado do que qualquer outro país. O próprio Heidegger, o famoso filósofo existencialista, apoiou o nazismo, e não pequeno número de intelectuais, bem como grande parcela das igrejas históricas, como o luteranismo. Se não fosse um Tillich ou um Bonhoeffer naquele momento, não sei o que seria...

Mesmo países comunistas, com grande nível de educação, como Cuba, não me parecem exemplos de nações a serem desejados...

Daí, deve haver algo mais do que educação para construir o tipo de sociedade que almejamos...

Ou, de que tipo de educação estamos a falar, quando a ela nos referimos? ...

Comentários

  1. Falta educação moral.Tal elemento só teria efetividade ao longo dos anos, uma vez que os costumes não mudam do dia para a noite. Esta educação moral deve ser de acordo com os princípios republicanos e democratas, tais como os elencados em nossa Constituição. Observado isto, evidentemente que a criminalidade no país diminuiria em razão do aumento do nível cultural da população. Consequentemente, o desemprego cairia, o poder aquisitivo aumentaria e os gastos sociais e os de segurança pública diminuiram, gerando verbas extras para serem aplicadas em outras áreas como a saúde e a própria educação. Entretanto, a abolição da desigualdade social é uma utopia, já que não a possibilidade de todos serem ricos. Sempre irá existir a classe dos oprimidos e dos opressores.

    ResponderExcluir
  2. Valeu, Brunão! Obrigado pela participação!!! (o Bruno é o amigo ilustre do qual falei, e que almoçamos juntos!!!). Grande abraço, amigão!!!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Mais visitadas do mês

Manaém, o colaço de Herodes

Aprendendo com os erros do Rei Amazias

Os discípulos ocultos de Jesus

Resenha da obra "Ego Transformado", de Tim Keller

E não endureçais os vossos corações (Hebreus 3.7-13)

Acolhei ao que é débil na fé - uma reflexão sobre romanos 14.1

Panorama do Novo Testamento: O Evangelho de João

Considerações acerca das bem-aventuranças

Panorama do Novo Testamento: Atos dos Apóstolos

As características do ministério de Cristo