sábado, 23 de abril de 2016

Lidando com o dinheiro em tempos de crise

Graça e paz!

A atividade pastoral exige que sejam dadas orientações de diversos tipos na vida das pessoas. Vão desde coisas consideradas “espirituais”[1], como orar, ter um programa de leitura bíblica, evangelismo, ou mesmo questões mais práticas, como o relacionamento conjugal, postura no trabalho, entre outras coisas.

Uma destas questões práticas é sobre o uso do dinheiro. Estamos vivendo tempos difíceis. Muitas coisas que ocorrem ao nosso redor não são consequência da nossa atividade direta, como o preço da gasolina, o valor da condução, o preço do pão, do leite, do café, entre outras coisas.

Também não escolhemos o lar em que nasceríamos, o bairro, a cidade, a cultura, a família (ou ausência desta). Faz muita diferença entre ter nascido na Finlândia ou na periferia de São Paulo.

A maioria de nós não tem culpa direta[2] pelo fato de estarmos em meio à uma crise financeira no país. Os juros estarem altos, e coisas do tipo.

Entretanto, mesmo em meio à crise, mesmo em meio às dificuldades econômicas, ou em estarmos em um contexto difícil, creio que é possível delinear algumas atitudes concretas que podem nos ajudar, enquanto cristãos, a lidarmos com o dinheiro em meio à crise financeira.

Nesta curta mensagem, vou me ater a alguns textos do livro de Provérbios.

O primeiro conselho que, “de cara”, gostaria de extrair do mencionado livro, é referente ao texto que se encontra em Provérbios 3.9:

Honra ao Senhor com os teus bens, e com a primeira parte de todos os teus ganhos;
Provérbios 3:9

Vejam.

Falo como a cristãos. Falo àqueles que possuem fé.

O texto acima nos fala para “honramos ao Senhor” com a primeira parte (primícias) dos nossos ganhos.

Não é minha intenção reviver o complexo sistema de contribuições do antigo testamento, que pode ser dividido em dízimos, ofertas, primícias e primogênitos. Não é esta a questão.

A ideia aqui envolvida é que a nossa intenção em tudo o quanto fazemos, mesmo naquilo que ganhamos, é “honrar ao Senhor”. É aquilo que vai no nosso coração, em nossas intenções.

Claro que, enquanto pastor evangélico, e como fiel membro da igreja, sempre interpretei o mencionado versículo como a contribuição que se dá na comunidade. Em se separar parte dos ganhos e ofertar para o que hoje chamamos obra do Senhor. Sei que há outras interpretações possíveis, e até quem diga que o versículo não é mais válido para os dias de hoje. Minha intenção não é discutir com tais ideias, e entendo que cada qual deve estar bem firmado em sua mente, naquilo que acredita. Tão somente expor que, enquanto cristão, entendo que o Senhor deve ser honrado em todas as coisas, inclusive com nossos eventuais ganhos, sejam eles dirigidos aos pobres ou inseridos na comunidade de fé, ou ambos. Fato é que o versículo tem uma bonita promessa, e creio que não é errado semear com a expectativa de se colher frutos melhores, desde que não se faça isso com um espírito de troca, mas sim de voluntariedade, amor e desejo de honrar ao Senhor.

Outrossim, acho bom começar nosso texto com um versículo assim. Isso porque, pelo menos para nós, os crentes, a nossa prosperidade não vem em primeiro lugar como fruto do nosso esforço e trabalho. Não. Vem pela graça de Deus. Assim entendemos. Por isso, d’Ele, por Ele e para Ele são todas as coisas. Por isso, entendemos ser o mais correto, honrar a Deus com as primícias da nossa renda.

Há outro princípio que gostaria de compartilhar é o que se encontra em Provérbios 12.24, que assim diz:

A mão dos diligentes dominará, mas os negligentes serão tributários.
Provérbios 12:24

Aqui já estamos em um campo que depende, em muito, de nós mesmos.
Independentemente do local em que nascemos e crescemos, do que fazemos, nós é que definiremos se seremos ou não diligentes.

Ser diligente é ser organizado, responsável. Alguém que se possa contar. Esforçado. Alguém que dá o melhor de si.

Se você faz bem alguma coisa, estude para fazer melhor. Não importa o que seja, não importa de onde se está começando. Seja dos serviços mais simples aos mais complexos. Cumpra prazos. Não fique chegando atrasado no seu trabalho. Não se distraia com redes sociais, ou outras coisas do tipo. Se você é profissional liberal, certifique-se que seus clientes estão satisfeitos com o seu trabalho.

Um terceiro conselho que eu gostaria de deixar para com os irmãos é o de ser prático no que se refere a ter alguma renda. Vejam o que diz Provérbios 14.23:

Em todo trabalho há proveito, mas ficar só em palavras leva à pobreza.
Provérbios 14:23

Veja o que o texto diz: “em todo trabalho há proveito”. Eu vejo que as pessoas, muitas vezes, romantizam muito esta questão do trabalho. Em minha vida, sempre pensei assim: que ter algum trabalho, ganhar algum dinheiro, é melhor do que não ter trabalho nenhum, do que não ganhar dinheiro nenhum.

Então, entendo que não podemos ser muito frescos nesta questão. Talvez um momento ode crise seja a oportunidade de mudarmos um pouco de área. É possível que a nossa área já está um pouco saturada. Talvez a gente não consiga, no momento, ter o mesmo salário do que tínhamos antes de sermos mandados embora de outro emprego. Logo, é possível que não dê para ficar escolhendo muito. O importante é não deixar de entrar algum dinheiro. Como diz o ditado popular, “é melhor pingar do que secar”.

Eu sempre associei um pouco esta questão da espiritualidade com a do trabalho. “Ora et labora”, diz um velho ditado. Todas as vezes que fiquei sem trabalho, a minha espiritualidade não funcionava direito. Logo, muitas vezes, mesmo podendo ter um emprego melhor, não vacilei em trabalhar de atendente, lavar banheiro, caixa, office boy, o que for necessário. Eu, particularmente, tinha horror em ficar parado. Em minha vida, pela misericórdia de Deus, isso sempre funcionou.

Você também pode inovar. Tem gente, por exemplo, que conseguiu pagar os estudos vendendo pão de mel. Há outro testemunho de uma empregada doméstica que se tornou juíza estudando com livros achados no lixo. Tente, invente, faça diferente, não perca tempo com coisas que não te darão nenhum retorno. Plante de manhã, a tarde e à noite, pois você não sabe qual dará o seu fruto (Eclesiastes 11.6).

Um outro conselho que o livro de Provérbios nos dá é o de saber poupar um pouco. Está escrito:

A riqueza de procedência vã diminuirá, mas quem a ajunta com o próprio trabalho a aumentará.
Provérbios 13:11

Vejam. Juntar com o próprio trabalho. Como isso é importante.

Uma das regras de ouro da economia é não gastar mais do que se ganha. Todos nós tempos um tempo de produtividade, que irá se acabar. Um dia chegaremos na velhice, onde nossa produtividade diminui. Daí, será melhor ter algo acumulado do que depender dos filhos, ou mesmo do estado. Alguns dizem que o ideal seria tentar poupar pelo menos dez por cento do quanto se ganha.

Também é importante, no mundo em que nós vivemos, entender um pouco de investimento. Não tem jeito. Se você, por exemplo, nos tempos que nós vivemos, de juros altos, deixar o seu dinheiro na caderneta de poupança, vai perder dinheiro. Guardar debaixo do colchão, nem pensar! Por isso, é preciso conhecer um pouco sobre renda fixa, CDB, LCA, LCI (estes dois últimos não cobram imposto de renda), Tesouro Direito (que nenhum gerente de banco te oferece por não dar lucro para a instituição), fundo de investimentos, ações, etc. Talvez seja bom você fazer uma planilha de gastos, para saber se não está desperdiçando com alguma coisa.

Outro conselho que acho muito importante no livro de provérbios é o de tomar cuidado com empréstimos. Está escrito:

O rico domina sobre os pobres e o que toma emprestado é servo do que empresta.
Provérbios 22:7

A coisa mais comum é você ver propaganda de banco te oferecendo dinheiro para financiar alguma coisa. Tenho amigos que se comprometerem por 60 meses para comprar um carro. Trinta anos para pagar um imóvel. O problema disso é que os juros podem estar muito altos, e você acaba pagando três vezes o valor do bem. O ideal é tentar abaixar um pouco o padrão de vida, poupar o necessário para pagar o bem a vista, ou então, dar uma boa entrada para não naufragar nos juros altos. Muitas pessoas, no meio do caminho, podem perder o emprego, deixar de pagar, e perder o bem. Tome cuidado com empréstimos. Cuidado com o “usufrua agora e pague depois”. Talvez por falta de educação financeira por parte da população, os bancos lucrem mais do que deveriam.

E finalmente, o último conselho da Palavra do Senhor que eu gostaria de deixar é o de ser generoso:

Ao Senhor empresta o que se compadece do pobre, ele lhe pagará o seu benefício.
Provérbios 19:17

Nós não podemos fazer do dinheiro uma idolatria. Esses conselhos para lidar com o dinheiro são para tornar nossa vida melhor, mais agradável, para incentivar à prudência, mas não são para fazer disso o único objetivo de nossas vidas. Enquanto cristãos, temos duas obrigações que são a de contribuir para a expansão do evangelho no mundo e aliviar a dor dos que são necessitados, atendendo principalmente ao órfão e à viúva, os mais fracos da sociedade. Não se trata do dinheiro pelo dinheiro, e sim, como meio para ajudarmos mais os que necessitam.

Enfim, meus irmãos, muitos outros conselhos poderiam ser dados. De qualquer modo, creio firmemente que, se estes forem seguidos, nos darão sabedoria para lidarmos com esta área tão delicada de nossas vidas, que é a área financeira.

Deus abençoe!

Que o Senhor nos guie em todas as coisas!


Princípios do livro de provérbios para lidar com o dinheiro
Pixabay






[1] É só um jeito de falar, pois para os cristãos, tudo é espiritual.
[2] Talvez culpa indireta, por má escolha nas eleições, mas não é disso que tratamos aqui.

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...