Teologia da Espiritualidade: O tratamento das paixões II - Pornea

Anteriormente, nesta série de postagens acerca da espiritualidade do deserto, falou-se acerca da "gastrimargia". Falaremos agora um pouco sobre a "pornea". 

Pornea (luxúria) é tratar o outro como coisa, e não como objeto de amor. É transformar o outro em um ser “consumível”, como mero objeto de deleite a ser usado, e depois dispensado. Não quer responsabilidade, somente o deleite. 

A desilusão, em diversos aspectos, também pode levar a um mundo da auto satisfação sexual, implicando na fuga para a fantasia, gerando prisão e dependência. Neste mundo de fantasia, a pessoa não presta satisfação a ninguém; é um mundo egoísta. 

Tanto atualmente quanto na antiguidade havia uma noção de que a entrega às paixões sexuais envolveria algum tipo de felicidade. Atualmente, tem havido o gradual desaparecimento do entendimento cristão acerca da maneira sexual correta de se viver, ou seja, tem sido abandonada a ideia de castidade. Castidade é viver de maneira íntegra a vocação sexual escolhida (seja o celibato, seja o matrimônio). 

Os padres do deserto viveram em um contexto de grande desinibição social, promovida inclusive oficialmente, seja pelo estado ou pela religião. Atualmente, a frenética atividade sexual é estimulada porque, entre outras coisas, é bem lucrativa do ponto de vista financeiro. 

A sexualidade, para a tradição do deserto, não deveria ser reprimida, mas sim servir de estímulo às orações. O desejo sexual não satisfeito era todo direcionado para o fervor na devoção. 

A sexualidade nos torna extremamente dependentes de Deus, pois a castidade é um dom da sua graça. Ou ela nos domina, ou com o auxílio da graça, nós a dominamos. Eles entendiam que o sofrimento e a dor causados pelo reconhecimento da falta de castidade podem ser um bom incentivo para o aumento da fé, da virtude e da perseverança. 

Eles ensinavam que a castidade não deve ser considerada um fardo, mas uma virtude a ser amada. Ou seja, existe alegria na santidade do corpo. A castidade faz bem. Faz bem à mente, ao corpo e à alma. Por isso, deve ser desejada. O sexo, desenfreado, este sim é causa de grande dor e infelicidade.

A sexualidade tem o seu papel de extrema importância na espiritualidade cristã. Os padres fizeram a opção pelo celibato, porém, é comum na literatura da espiritualidade do deserto a descrição das lutas que tais pessoas, homens e mulheres, tiveram para manterem-se fiéis a tal vocação. 

Aplicada no dia a dia das pessoas celibatárias ou não, a castidade é um desafio fundamental. Passa pela necessidade da renúncia aos próprios desejos, do domínio de si próprio, do abandono daquilo que possa fazer alguém cair, como sites, filmes e outras sugestões, além de uma vida dedicada à oração, à liturgia comunitária, e boas obras. A pornea pode ser sim vencida, porém, mesmo eventuais quedas podem ser oportunidades para nos levar ainda mais para perto de Deus.

Na próxima oportunidade, discorreremos um pouco acerca da cobiça e da ira

Castidade
Pixabay

Comentários

Mais visitadas do mês

Manaém, o colaço de Herodes

Resenha da obra "Ego Transformado", de Tim Keller

Aprendendo com os erros do Rei Amazias

Acolhei ao que é débil na fé - uma reflexão sobre romanos 14.1

Os discípulos ocultos de Jesus

E não endureçais os vossos corações (Hebreus 3.7-13)

Panorama do Novo Testamento: O Evangelho de João

A fé segundo Rubem Alves

As atitudes missionárias de Jesus

FONTES DA TEOLOGIA