Primeiros capítulos de Gênesis - Uma leitura sempre literal?


Uma das matérias que leciono em alguns cursos que tenho o privilégio de ministrar é o de Antropologia Bíblica, ou doutrina do homem, conforme outros preferem chamar.

E obviamente, sempre que estudamos este assunto, um dos textos que costumamos ler é o referente aos dois primeiros capítulos de Gênesis.


Isto porque, um dos tópicos que estudamos diz respeito às peculiaridades da criação do ser humano, segundo o relato bíblico, entre eles, o fato de que o homem foi feito segundo “um tipo divino” (imagem e semelhança), bem como de que houve um tipo de “conselho” quando de sua criação (“façamos”), entre outras coisas (Gen 1.26).

E, sempre após ler e meditar sobre tais passagens, alguém sempre lança a pergunta se devemos ler os primeiros capítulos do livro de Gênesis literalmente.

Bom.

Particularmente, a luz do conhecimento que temos hoje, eu sou da opinião que não totalmente.

Se formos ler literalmente tal passagem, teremos que entender, à luz de Gênesis 1.7-8, que houve uma “separação” das águas de cima, com as águas que estavam “embaixo”. E que há um firmamento que segura as segura, como se fosse uma espécie de abóboda que impede que elas caiam. Este firmamento, ou expansão, foi chamado de céu, e quando chove, seria como se os céus fossem abertos.

Também se tomarmos literalmente o texto, teremos que entender que o sol e a lua, e as demais estrelas foram criados depois da terra, à luz de Genesis 1.16, o que à luz da ciência hoje não é possível.

Daí, vejo isso como uma narrativa muito mais poética do que fática acerca da criação do mundo.

Então, alguém sempre pergunta como interpretar o Gênesis; como entender o que é narrativa poética (mito) ou o que é verdadeiramente história.

Particularmente, entendo que a Escritura toda é inspirada, e que Deus falou àqueles homens no universo de pensamento que fazia parte da cultura de então. Daí, entendo que a Bíblia não é um livro de ciência natural, e sim um livro de Teologia (que “discursa” sobre Deus).

O que particularmente entendo que deve ser extraído do livro de Gênesis é a ideia básica de que, de algum modo, foi quebrada a amizade do ser humano em relação a Deus, e dos seres humanos em relação a si mesmos e aos outros, bem como uma queda sensível da biosfera terrestre, que é exatamente o quadro que vemos no mundo quando olhamos para ele nos dias de hoje. Neste sentido, os primeiros capítulos de Gênesis têm muito a dizer, não somente em relação ao homem do passado, mas sim em relação ao homem atual.

E a missão evangélica, não é nada mais nada menos que pregar a reconciliação entre os seres humanos e Deus, para consigo mesmos, uns com os outros, bem como com toda a natureza. Essa é a grande missão da igreja. A mensagem do evangelho.

Daí, os primeiros capítulos de Gênesis, em minha opinião, ensinarem uma verdade teológica, muito mais do que fática e científica.

Obviamente, há muita gente melhor do que eu que discorda, e que entende que todo o texto deve ser interpretado literalmente, e que tudo o que a ciência descobriu até hoje deve se amoldar ao que está no Gênesis. Tal postura é identificada hoje com o fundamentalismo teológico.

Outra postura é desprezar completamente o livro de Gênesis como coisa inútil, e aderir completamente à ciência. Penso que esta é mais a postura dos ateus, pois nem mesmo os teólogos liberais chegam a tanto.

Minha postura é evangélica (ou “evangelical”) que procura um constante diálogo entre tais visões diferentes de mundo, procurando extrair a verdade de todas elas. Não é minha intenção escandalizar nem aborrecer quem quer que seja, entretanto, há algumas causas de tropeço à fé que penso que podemos evitar. A interpretação radicalmente literal de Gênesis, para muitas pessoas, pode se converter em uma delas.

Comentários

  1. Muito bem colocado. A realidade é que nem mesmo os criacionistas "de terra jovem" interpretam Gênesis de maneira totalmente literal. Essa questão do "firmamento" que separa as "águas" é demonstração clara de que Deus ACOMODOU a mensagem da criação ao entendimento do homem da época. Cabe a nós, usando a Bíblia inteira, distinguir o que deve ser interpretado literalmente e o que não deve. Eu acredito em um Adão histórico, mas não que os dias da criação tem 24 horas, por exemplo.

    ResponderExcluir
  2. Obrigado, novamente, Ricardo, por sua valiosa contribuição!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Mais visitadas do mês

Manaém, o colaço de Herodes

Aprendendo com os erros do Rei Amazias

Os discípulos ocultos de Jesus

Resenha da obra "Ego Transformado", de Tim Keller

E não endureçais os vossos corações (Hebreus 3.7-13)

Acolhei ao que é débil na fé - uma reflexão sobre romanos 14.1

Panorama do Novo Testamento: O Evangelho de João

Considerações acerca das bem-aventuranças

Panorama do Novo Testamento: Atos dos Apóstolos

As características do ministério de Cristo