Da extrema falta de serenidade necessária no momento presente

Estamos vivendo a mais mortífera pandemia dos últimos  tempos, e infelizmente, enquanto sociedade, não estamos tendo a serenidade necessária para o momento.

Em primeiro lugar, pelo próprio poder de contágio desta doença. Estamos vendo diariamente crescer o número de mortos e infectados.

Além disso, há um grupo de pessoas insatisfeitas com as medidas de contenção realizadas por governadores e prefeitos. Há protestos, aglomerações, carreatas. Também há uma verdadeira batalha nas redes sociais.

Enquanto isso, vemos hospitais lotados, sejam enfermarias, ou UTIs. Principalmente, nas localidades mais pobres de nosso país. Estamos vendo perplexos, por exemplo, as ocorrências em Manaus.

Também estamos tendo que lidar com as crises econômicas decorrentes deste momento de contenção. Muitas pessoas perdendo seus empregos. Profissionais liberais passando por necessidades. Pequenos e médios empresários entrando em desespero.

E, se não bastasse tudo isso, uma crise política de amargar, na esfera federal. Lá se foi o ministro da saúde. Agora, o da justiça. Risco de impedimento. Gente pedindo a volta da ditadura. 

Tudo isso enquanto centenas de vidas já foram ceifadas por essa doença.

Em minha humilde opinião, apesar de ser um remédio muito amargo, as coisas só não estão piores, notadamente  em São Paulo, por conta das medidas adotas pelo Governo do Estado e Município, caso contrário, estaríamos parecidos com NY. Entretanto, há muitos nesta cidade que não concordam com tais medidas, e o isolamento em algumas localidades na periferia é quase nulo.

O que fazer então, enquanto simples cidadãos? 

Continuar com as medidas de prudência. Essa doença não está para brincadeira. Ainda não temos cura e vacina. Faça o possível para não ser infectado por este vírus. Gostei muito quando ouvi, há quase um mês, o conselho da ministra da Nova Zelândia, para que todos agissem como se já estivessem infectados. Isso parece ter gerado uma rede de proteção social, pois todos se cuidavam para não infectar a outros, e aquele país tem sido um dos mais bem sucedidos para combater esta pandemia. 

Caso precise sair para rua, use todas as proteções necessárias. Máscaras, álcool gel, medidas de higiene. Hoje, mais do que nunca, é preciso ter a mente muito atenta à tudo o que se está fazendo para não levar as mãos aos olhos, bocas, nariz, sem a devida higiene. Tampouco entrar com algo contaminado em seu lar, desde suas próprias roupas ou outros produtos.

Enfim, penso que precisamos orar para que nossas autoridades tenham sabedoria e sensibilidade para lidar com este momento. Essa parece ter sido uma as partes mais difíceis. Que Deus possa ter misericórdia de nossa nação.

Pixabay


Comentários

Mais visitadas do mês

Manaém, o colaço de Herodes

Aprendendo com os erros do Rei Amazias

Os discípulos ocultos de Jesus

Resenha da obra "Ego Transformado", de Tim Keller

E não endureçais os vossos corações (Hebreus 3.7-13)

Panorama do Novo Testamento: O Evangelho de João

Acolhei ao que é débil na fé - uma reflexão sobre romanos 14.1

FONTES DA TEOLOGIA

Considerações acerca das bem-aventuranças

Quem veio primeiro: A Igreja ou as Escrituras?