Realmente vale a pena aumentar impostos no Brasil?

Uma notícia de um ano atrás, mas que vale a pena refletirmos.

Estamos entre os trinta países que mais arrecada impostos no mundo, e, entre os tais, somos o que menos retorno em serviços públicos de qualidade dá a população.

Aumentar impostos em um país como o nosso, é no mínimo temerário.

Não seria o caso, talvez, de diminui-los, e permitir que tais serviços dos quais a população precise fique nas mãos da iniciativa privada? Ou pelo menos moralizar o que já é arrecadado?

Fato é que vivemos em um país um tanto quanto burocratizado, caro, em que boa parte das pessoas coloca mais fé em um emprego estatal que na iniciativa privada.

Batemos recordes atrás de recordes de arrecadação, e, mesmo assim, serviços como saúde, educação e segurança deixam muito a desejar. Infelizmente, talvez ainda tenhamos agentes públicos que procuram fazer da coisa pública, privada, de modo que o “investimento” não retorna para a população.

Será que realmente podemos acreditar em políticos que dizem que farão melhorias sociais? Há alguém capaz de realmente cortar gastos públicos, mas não os relativos às necessidades básicas, e sim no gasto excessivo com o funcionalismo público, verbas indenizatórias de membros políticos de todas as esferas do poder, que somados aos seus salários somam muito mais do que o teto constitucional?

O estado contemporâneo, pelo menos em tese, deveria ter sua razão de existir no princípio da dignidade da pessoa humana, mas infelizmente isso parece longe de acontecer.


Leia mais em Globo.com

O retorno dos impostos no Brasil em serviços púbilcos
Pixabay

Comentários

Mais visitadas do mês

Manaém, o colaço de Herodes

Aprendendo com os erros do Rei Amazias

Os discípulos ocultos de Jesus

Resenha da obra "Ego Transformado", de Tim Keller

E não endureçais os vossos corações (Hebreus 3.7-13)

Panorama do Novo Testamento: O Evangelho de João

Acolhei ao que é débil na fé - uma reflexão sobre romanos 14.1

FONTES DA TEOLOGIA

Considerações acerca das bem-aventuranças

Quem veio primeiro: A Igreja ou as Escrituras?