Gueto Cristão

A concepção protestante acerca da vocação secular, a meu ver, precisa ser resgatada, pois há muitos homens pregando, ainda que implicitamente, que só realizam uma obra espiritual aqueles que se dedicam a algum ministério eclesiástico. A vida secular, para estes, é enfadonha, e pode ser feita meio que "de qualquer jeito". Não é a toa que muitos não desejam, de modo algum, negociar com os chamados cristãos evangélicos.

Os reformadores disseram com todas as letras que um sapateiro, uma dona de casa, um advogado, quando trabalham de forma digna, cristã, realizam uma obra tão espiritual e relevante quanto àqueles que presidem um culto religioso.

Hoje, por algum motivo, achamos que para tudo ter qualidade, deve necessariamente ser evangélico, ou estar servindo a um propósito eclesiástico. Ledo engano!

Isso porque, deixamos de ler no livro da natureza ato da revelação do próprio Deus, e enxergar mesmo a vocação secular como algo sagrado e abençoado, se feito com amor e dedicado ao serviço do outro.

Comentários

Mais visitadas do mês

Manaém, o colaço de Herodes

Aprendendo com os erros do Rei Amazias

Os discípulos ocultos de Jesus

Resenha da obra "Ego Transformado", de Tim Keller

E não endureçais os vossos corações (Hebreus 3.7-13)

Panorama do Novo Testamento: O Evangelho de João

Acolhei ao que é débil na fé - uma reflexão sobre romanos 14.1

FONTES DA TEOLOGIA

Quem veio primeiro: A Igreja ou as Escrituras?

Considerações acerca das bem-aventuranças