Da infabilidade das Escrituras








Em que sentido as Escrituras são infalíveis?

São infalíveis enquanto o meio adequado para a revelação de Cristo ao mundo.

Ou seja, são o sacramento da presença de Cristo em meio a humanidade.

Não são livros de ciência, geografia, geologia, biologia, administração, direito, etc....

De qualquer modo, a palavra de Deus é infalível no sentido em que revela a única Palavra, esta realmente infalível, qual seja, o Verbo que se fez carne e entre nós habitou.

Há dois tipos de infabilidade...

Uma infabilidade de conteúdo...

E uma infabilidade formal...

Chamo de infabilidade formal a lista que compõem os livros das Escrituras.

Se consideramos infalível a lista de livros...

Acabamos por considerar infalíveis os que reconheceram e recomendaram tal lista...

Santo Atanásio, talvez... O Concílio de Cartago, talvez...

E, tão logo fazemos isso, deixamos de ser protestantes, e nos tornamos bons católicos romanos, ou ortoxos...

Daí, Lutero, por exemplo, jamais preconizara um princípio fundamentalista das Escrituras...

Até chegou a propor a retirada de alguns livros do cânon ...

Mas se aplicarmos literalmente todos os qualificativos para Deus sobre um livro, não cometemos um ato de idolatria?

Bibliolatria?

Por isso, em verdade vos digo: não é possível ser protestante e sustentar um princípio de infabilidade formal das Escrituras, mas sim de infabilidade sacramental...

Sacramental no sentido de revelar Cristo aos homens, bem como sua santa palavra e vontade...

Sacramental no sentido de ser o meio natural pelo qual a graça sobrenatura de Deus se revele ao mundo...

Ai sim, passamos a entender o que quer dizer "Sola Scriptura"...

"Sola" no sentido de que, somente ela nos indica quem é o verdadeiro Salvador do mundo, e o caminho para alcançá-lo, qual seja, a fé!

"Sola Fides"

E aí sim, uma vez alcançado, procuraremos imitar suas obras, pois a fé sem obras, é morta.

Mas a fé em quem?

Só N'Ele.

"Solus Christus".

É esta radical dependência dele, sem depender de um conceito dogmático das Escrituras que caracteriza uma fé, que "tem certeza das coisas que se esperam, e convicção de fatos que não se vêem" (Hb 11.1).

Comentários

  1. Carlos, a Paz de Cristo!

    Seria possível considerarmos uma infabilidade de conteúdo sem recorrermos à tradição?

    ResponderExcluir
  2. A paz de Cristo, amigo.

    Se entendermos a tradição como algo que "chancele" o conteúdo das Escrituras, então, sua resposta é negativa. O conteúdo só pode ser considerado infalível, se "chancelado", ou confirmado pela tradição.

    Entretanto, se houver infabilidade ontológica nas próprias Escrituras, independente de "chancela", então, sim, poder-se-ia considerar a infabilidade de conteúdo sem recorrer-se a tradição posterior (digo posterior, pois existe uma tradição que é concomitante à produção das Escrituras).

    Eu, particularmente, não sustento, nem a infabilidade de conteúdo, nem a formal, mas aceito a distinção feita por Lutero, Kasemann, Barth, entre outros, que entendem a questão do "cânon dentro do cânon", ou mesmo fora dele. Mas mesmo esta concepção não é completamente independente da tradição.

    Por isso, quando na tradição evangélica, que entendo mais sadia, se fala em "sola Scriptura", quer-se dizer realmente "suficiência das Escrituras" como contendo todas as coisas necessárias à salvação e um reto viver, mas não necessariamente sua exclusividade em ser sacramento de Deus no mundo.

    A tradição, a cultura, a opinião dos doutos, a experiência, tudo isto também é fonte para a teologia.

    ResponderExcluir
  3. Não são livros de ciência, geografia, geologia, biologia, administração, direito, etc....

    De qualquer modo, a palavra de Deus é infalível no sentido em que revela a única Palavra, esta realmente infalível, qual seja, o Verbo que se fez carne e entre nós habitou.


    Pra fazer essa afirmaçao vc tem q partir de um pressuposto evidencialista empirico.

    Se eu assumo como axioma filosofico:

    - "Deus existe e ele fala atraves da Escritura".

    Eu posso deduzir todo o restante do sistema a partir disso sem ter q "provar" tal assertiva. Ela é meu axioma. Nao se prova axiomas, eles assumidos sem prova. Logo assumir a infabilidade biblica em todos os aspectos sera perfeitamente inteligivel dentro de mha pressuposiçao.

    Existem as apologeticas evidencialista, teleologica, cosmologica... Mas dentre eles a q obtem melhores resultados é a apologetica pressuposicionalista.

    Agostinho, Gordon Clark e Vincente Cheung sao alguns q tem este tipo de visao.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Mais visitadas do mês

Manaém, o colaço de Herodes

Aprendendo com os erros do Rei Amazias

Os discípulos ocultos de Jesus

E não endureçais os vossos corações (Hebreus 3.7-13)

Resenha da obra "Ego Transformado", de Tim Keller

Panorama do Novo Testamento: O Evangelho de João

Acolhei ao que é débil na fé - uma reflexão sobre romanos 14.1

FONTES DA TEOLOGIA

Quem veio primeiro: A Igreja ou as Escrituras?

Considerações acerca das bem-aventuranças