Não somos juízes uns dos outros

Jesus não nos ensinou a sermos juízes uns dos outros.

Nos ensinou a nos ajudarmos.

Já maculados com a marca da divisão, atacamos uns aos outros, muitas vezes em questões secundárias, que não levam à edificação. Maculados muitas vezes pelo orgulho,  com divisões sem fim.

Não fostes chamado a ser juiz de seu irmão, e sim guardião dele.

Transformá-lo mais pelo exemplo do que pelas palavras.

Quando tiver que repreender, vá até ele, só, e diga o que o Espírito te orientou.

A reconciliação continua sendo um imperativo em um mundo machucado pela guerra.

O que tivermos que lhe dizer, que seja pessoalmente, e com a certeza da causa que estamos a defender.

Fomos chamados à paz. Ao servo do Senhor não convém contender. Nem difamar. Nem ofender, a não ser que estejamos muito certos da santidade da causa a que estamos a defender.

Brigamos uns com os outros, mas onde encontraremos um verdadeiro espírito comunitário? Você é capaz de mostrar? Onde encontramos a verdadeira santidade que nos faz lembrar o Senhor? Você é assim tão capaz de vivê-la a ponto de condenar os demais?



Comentários

Mais visitadas do mês

Manaém, o colaço de Herodes

Aprendendo com os erros do Rei Amazias

Os discípulos ocultos de Jesus

Resenha da obra "Ego Transformado", de Tim Keller

E não endureçais os vossos corações (Hebreus 3.7-13)

Panorama do Novo Testamento: O Evangelho de João

Acolhei ao que é débil na fé - uma reflexão sobre romanos 14.1

FONTES DA TEOLOGIA

Considerações acerca das bem-aventuranças

Quem veio primeiro: A Igreja ou as Escrituras?