O cristão e seu posicionamento político

Um cristão pode ser de esquerda? Ou de direita? De centro? Anarquista? Liberal?

Tenho lido em algumas redes sociais que, por exemplo, um cristão não pode ser de esquerda.

Isso porque, a esquerda apoia o comunismo, o socialismo, o aborto, o movimento LGBT, e coisas do tipo. Logo, não pode ser de esquerda.

Mas também já li amigos dizendo que cristãos não podem ser de direita. Não podem apoiar Bolsonaro, Trump, a liberdade de usar armas, a ditadura, o fascismo, etc. Eu mesmo já fui excluído da amizade de alguns por ter em meu perfil amigos que apoiam Bolsonaro.

Tenho também amigos (cristãos) que dizem que cristão não pode ser liberal. Isso porque, o liberal (econômico) só pensa em dinheiro, acumular, é contra a intervenção do estado na economia, não pensa nos pobres, etc. Não pode apoiar também, se for cristão, a o liberalismo moral de cada qual conduzir-se conforme quiser, seja sexualmente, ou ainda, consumir substancias entorpecentes, e coisas do tipo, sem intervenção do estado em seus usos e costumes.

E então, todos atacam todos e acabam dizendo que cada qual não poderia ser cristão e pensar assim, ou assado...

Ora.

Particularmente entendo que alguém pode ser cristão, e, em algum momento de sua vida apoiar alguma dessas visões. Cada qual tem sua própria experiência, visão de mundo, e está em algum estágio de conhecimento diferente da dos demais.

É importante que nós não façamos esterótipos do que significa assumir algumas destas posturas, e nem das visões políticas em si. Ideias mudam com o tempo, assim como pessoas.

Há cristãos que entendem que a esquerda tem maior preocupação com os necessitados, daí, assumem essa postura política. A preocupação com os necessitados é um valor do evangelho.

Há cristãos que entendem que é preciso mais espaço para a liberdade, sem limitações demais impostas pelo Estado, mesmo que para isso, as pessoas estejam sujeitas a fazerem más escolhas e sofrerem com isso. Daí, enxergam nos valores liberais mais proximidade com o evangelho. E a liberdade é um valor do evangelho.

O importante é cada qual ir estudando, questionando e questionando-se para assumir a postura que julgar mais correta á luz do evangelho (aqui, me dirijo aos cristãos), e respeitar se alguém tiver uma visão diferente. Talvez a distinção "esquerda" ou "direita" já não faça tanto sentido, e cada assunto deveria ser discutido "por si" (segurança, saúde, educação, previdência, etc), sem amarras ideológicas do passado.

Algo que vejo com a máxima importância é o fato de que, um verdadeiro cristão pode trazer algum equilíbrio à radicalidade de algumas doutrinas politicas/econômicas.

Por exemplo, um cristão socialista certamente rejeitará o autoritarismo que certas versões dessa visão política pode querer conceder ao Estado. Não me parece que um estado totalitário esteja de acordo com o evangelho. Um cristão cuja visão seja a de um estado mais conservador e liberal (visão essa mais de direita) também se esforçará ao máximo para que a filantropia voluntária se espalhe pela sociedade, e também não deixará de pregar que "o amor ao dinheiro é a raiz de todos os males". O enriquecimento desmedido e insensível à necessidade alheia não está de acordo com o evangelho.

Um cristão mais simpático ao liberalismo, poderá, na sociedade, aderir a uma postura mais caritativa, filantrópica, o que talvez minimize os efeitos de um capitalismo selvagem.

De minha parte, tenho chegado no momento, à conclusão de que nenhuma sociedade pode prosperar sem liberdade econômica. Liberdade de comprar, vender, negociar, ter livre iniciativa, concorrência, além dos direitos clássicos como de liberdade política, religiosa, filosófica, etc. Essas liberdades dos liberais. Até Cuba já irá admitir em sua constituição o direito de propriedade privada!

Entretanto, também entendo que não é possível uma sociedade sem alguma organização estatal (ou seja, não vejo no momento nenhuma possibilidade para o anarco-capitalismo). Vejo a necessidade de um estado que arrecade e redistribua renda a fim de diminuir as desigualdades e proporcione condições minimamente dignas de existência. Isso me aproxima dos direitos de segunda geração (já seria o suficiente para ser classificado pela escola austríaca como socialista). De qualquer modo, não vejo com bons olhos o estado como um grande gestor, onipresente, onipotente, que assuma o controle de tudo. O estado tem sido um grande arrecadador, em muitas áreas ineficiente, pois conforme monografia do Mises (que a meu ver, não deveria ser completamente rejeitado), não realiza bem o devido cálculo econômico. De qualquer modo, penso que há setores estratégicos que talvez não devam ser entregues totalmente ao capital privado, seja nacional ou estrangeiro, por uma questão de soberania nacional.

Ou seja, resumindo, penso que há de sempre buscar um equilíbrio entre a liberdade dos liberais e o estado interventor, que proteja os mais fracos.

Em tudo isso, completo dizendo que por mais elaborado um sistema, o mais importante é a integridade dos homens que o conduzem. Corrupção corrói terrivelmente qualquer sistema. Honestidade, integridade, ética, bondade, amor, não podem ser substituídos por nenhuma forma de sistema. Haverá sempre por traz de todo sistema um conjunto de crenças, de decisões fundamentais que fará com que uma sociedade se conduza ou não de maneira mais eficiente. Daí, nós nunca deveríamos deixar de labutar pela reforma ética de cada cidadão em busca do bem comum, e abominar a ação pervertida de todos aqueles que tomam para si o que é de bem comum.

O que penso que não precisamos fazer é o tempo todo nos agredir, nos julgar, nos ofendermos mutuamente. A humanidade já deveria ter evoluído o suficiente para resolver seus conflitos de forma pacífica e paciente. Manter mecanismos para que a cada mudança de rota, não seja necessário o derramamento infinito de sangue. Daí, a meu ver, mecanismos dialogais são imensamente necessários para a condução das questões políticas e sociais, e que cada qual saiba viver debaixo das regras do jogo, ainda que por um momento, nem tudo esteja como gostaria. 






Comentários

Mais visitadas do mês

Manaém, o colaço de Herodes

Aprendendo com os erros do Rei Amazias

Os discípulos ocultos de Jesus

E não endureçais os vossos corações (Hebreus 3.7-13)

Resenha da obra "Ego Transformado", de Tim Keller

Panorama do Novo Testamento: O Evangelho de João

Acolhei ao que é débil na fé - uma reflexão sobre romanos 14.1

FONTES DA TEOLOGIA

Quem veio primeiro: A Igreja ou as Escrituras?

Considerações acerca das bem-aventuranças