O retorno gradual às atividades da igreja e a pandemia

 A igreja da qual tenho o privilégio de ser um dos pastores retornou suas atividades há quase três meses.

Temos procurado manter todas as regras possíveis de segurança.

Procuramos controlar a quantidade de membros, manter distância entre as cadeiras, e colocar álcool espalhado por todos os lugares. 

Os que pregam e cantam, continuam usando máscaras, mesmo que isso gere um certo desconforto.

E além do culto presencial, também fazemos depois, no mesmo dia, um encontro on line, para possibilitar a participação daqueles que não estiveram presencialmente.

Esse tem sido um momento muito "sui generis".

Ninguém estava preparado para algo assim.

Algumas igrejas praticamente não fecharam durante a pandemia, mesmo havendo infecção de membros.

Outras, não retornaram até os dias atuais.

Em tudo, me parece necessário tentar buscar um certo equilíbrio.

Mantida as normas de segurança, é possível cultuar presencialmente.

Entretanto, não devemos nos comportar de forma triunfalista,  como se nada estivesse ocorrendo, ou ainda, como se estivéssemos protegidos contra qualquer coisa.

Muitos, e eu me incluo, precisavam de encontros presenciais, porém, isso não é desculpa para colocar a saúde de outros em risco.

Além do que, um comportamento responsável faz parte do testemunho que precisamos dar aos que estão ao nosso redor.

Comentários

Mais visitadas do mês

Manaém, o colaço de Herodes

Aprendendo com os erros do Rei Amazias

Os discípulos ocultos de Jesus

Resenha da obra "Ego Transformado", de Tim Keller

E não endureçais os vossos corações (Hebreus 3.7-13)

Panorama do Novo Testamento: O Evangelho de João

Acolhei ao que é débil na fé - uma reflexão sobre romanos 14.1

FONTES DA TEOLOGIA

Considerações acerca das bem-aventuranças

Quem veio primeiro: A Igreja ou as Escrituras?