Quando o não agir de Deus é mais amoroso do que o agir

Uma das coisas mais tristes que se realiza no ofício pastoral é visitar alguém no hospital que esteja com uma enfermidade terminal.

Como gostaríamos de ter um poder infalível de curar alguém nestes momentos.

Clamamos sim. Alguns se levantam, melhoram, tocam sua vida. Outros, não.

Há momentos em que visitamos alguém jovem.

Ele nos olha nos olhos procurando um motivo.

Não temos nenhum a oferecer.

Expressam que querem continuar a viver.

Apoiamos seu desejo, lhes oferecendo palavras de ânimo e de confiança.

Por isso é tão triste quando ao final de uma luta assim, a pessoa não resiste.

Sim, há pessoas que acreditam em uma cura sobrenatural até o último instante.

E esta não acontece.

E a pessoa parte.

Quero acreditar em algo que me faça entender e aceitar esse momento.

Sou uma pessoa da fé.

Quero crer que se tal pessoa partiu, foi para uma realidade bem melhor que essa.

Se o Pai não a curou, é porque a ama.

Quero entender que curar é algo bom. Mas levar a pessoa é algo ainda melhor.

Essa é a nossa esperança!

Só é possível entender esse estado de coisas à luz da eternidade, do transcendente, pois aqui não há, no nível dos homens, descanso, justiça, alegria perfeitos.


Quando o não agir de Deus é mais amoroso do que o agir
Imagem de Roland Steinmann por Pixabay 

Comentários

Mais visitadas do mês

Manaém, o colaço de Herodes

Resenha da obra "Ego Transformado", de Tim Keller

Aprendendo com os erros do Rei Amazias

Acolhei ao que é débil na fé - uma reflexão sobre romanos 14.1

E não endureçais os vossos corações (Hebreus 3.7-13)

Os discípulos ocultos de Jesus

A fé segundo Rubem Alves

Panorama do Novo Testamento: O Evangelho de João

O crente egoísta

As atitudes missionárias de Jesus