Espiritualidade Cristã - Introdução


Há algumas semanas tive a oportunidade e o privilégio de ministrar um curso sobre espiritualidade cristã na Faculdade de Teologia Metodista Livre. O curso consistiu em três encontros de seis a sete horas cada, valendo como módulo para a formação de bacharéis em teologia. Vou aproveitar o esboço daquelas aulas e postar por aqui um pouco do que compartilhamos por lá, adaptado, da melhor forma que conseguir, para textos escritos em blog (textos curtos e escritos de forma simples).


Há diversos tipos de espiritualidades no mundo. Há uma espiritualidade espírita, outra islâmica, budista, e alguns até falam em espiritualidade agnóstica ou atéia. Obviamente, o nosso curso se limitou à cristã. Mas, mesmo falando em cristianismo, temos obviamente, muitos tipos de espiritualidades, o que torna praticamente impossível ministrar todas elas em um curso muito curto. Há a católico-romana, a ortodoxa, e protestante. Mas mesmo assim, só é possível falarmos delas de modo genérico. Isto porque, por exemplo,, se analisarmos o protestantismo, uma será, por exemplo, a espiritualidade luterana, outra, a reformada, outra, a pietista, a anglicana, a wesleyana, a pentecostal, etc. Assim também no catolicismo e na ortodoxia. Seria um trabalho para toda a vida ministrar sobre isso. Por isso, como em todo curso, o objetivo foi tão somente dar o “ponta pé” inicial para que todos os alunos, munidos de uma boa bibliografia, possam, por si só, se aprofundarem neste estudo, que certamente é um dos mais fascinantes temas da teologia cristã.


A continuação deste assunto pode ser lida Aqui.

Comentários

Mais visitadas do mês

Manaém, o colaço de Herodes

Aprendendo com os erros do Rei Amazias

Resenha da obra "Ego Transformado", de Tim Keller

Acolhei ao que é débil na fé - uma reflexão sobre romanos 14.1

Os discípulos ocultos de Jesus

E não endureçais os vossos corações (Hebreus 3.7-13)

O crente egoísta

A fé segundo Rubem Alves

Panorama do Novo Testamento: O Evangelho de João

Lidando com a traição e as injustiças da vida - o exemplo de José do Egito