72 Virgens

"O que os terroristas fazem é isso: em vez de chamar o suicida pelo que é, chamam-no de mártir e dizem que ele morreu em defesa da religião, o que não é fato. Pronto, o Paraíso está garantido, a face de Deus será vista e haverá setenta  e duas virgens a servir o mártir..." (KAMEL, Ali. Sobre o Islã, Ed. Nova Fronteira, p. 222).

Pois é... Se morrer em nome da religião não bastar, tem a promessa de ir para o Paraíso... Se isso não bastar, promete-se ver a face de Deus... e se isso ainda não for o suficente, setenta e duas virgens servisão o "mártir". Parte-se, do mais sublime, por assim dizer, ao mais carnal...


Nesta perspectiva, a monogamia masculina (ou o machismo) prevalece mesmo para depois desta vida... (pobres mulheres...).

E se fosse uma mulher a praticar tal ato de suicí...digo, martírio... Haverá setente e dois mancebos virgens para serví-las também?...

Somente o desespero de uma vida, associada a um completo doutrinamento, e sabe lá mais o que, podem levar alguém a cometer tal ato, que, diga-se de passagem, é uma enorme minoria frente a uma respeitabilíssima religião.


Comentários

Mais visitadas do mês

Manaém, o colaço de Herodes

Aprendendo com os erros do Rei Amazias

Resenha da obra "Ego Transformado", de Tim Keller

Acolhei ao que é débil na fé - uma reflexão sobre romanos 14.1

Os discípulos ocultos de Jesus

E não endureçais os vossos corações (Hebreus 3.7-13)

O crente egoísta

A fé segundo Rubem Alves

Panorama do Novo Testamento: O Evangelho de João

Lidando com a traição e as injustiças da vida - o exemplo de José do Egito