As igrejas evangélicas durante a pandemia

Durante esta pandemia, muitas igrejas precisaram aprender a utilizar as plataformas virtuais a fim de continuar suas reuniões.

Entretanto, nem todas as fecharam suas portas.

Quem vive principalmente nas periferias, sabe que muitas igrejas permaneceram abertas.

Os motivos podem ser dos mais diversos.

Alguns parecem entender que há um tipo de proteção divina especial sobre a vida dos fiéis. Outros, parecem também ter tido uma atitude um pouco mais negacionista. Sem dúvida, muitos entenderam a igreja como uma atividade essencial. Alguns precisavam das arrecadações para sobreviver, e outros, fazem da religião negócio.

Algumas igrejas preferiram suspender por um tempo suas reuniões presenciais. Entenderam que tal cuidado era um ato de amor e de cautela para com os fiéis. Não enxergam um confronto entre fé e ciência, bem como, no meio do turbilhão de informações, preferiram manter a cautela.

Muitas agora estão retornando aos cultos presenciais com as devidas cautelas.

Tenho amigos pastores que acham que só se deve voltar quando todos puderem estar juntos. Querem dizer com isso que seria injusto voltar somente com os jovens e deixar os mais idosos em casa.

Particularmente, como pastor de uma igreja na periferia, tomei conhecimento de muitos casos de infecção de fiéis, mesmo de ministros das mais diversas denominações, com casos de óbito. Basta fazer uma breve busca na internet que se pode constatar tal fato. Entretanto, creio que ninguém pode dizer exatamente em que condições tais infecções se deram.

A história fará o juízo do comportamento das igrejas, notadamente as evangélicas, neste momento pelo qual passamos. Se foram parte do problema ou da solução. Mas o mais importante de tudo, para os crentes, é a conta que irão prestar ao Deus que dizem acreditar.


Comentários

Mais visitadas do mês

Manaém, o colaço de Herodes

Aprendendo com os erros do Rei Amazias

Resenha da obra "Ego Transformado", de Tim Keller

Acolhei ao que é débil na fé - uma reflexão sobre romanos 14.1

Os discípulos ocultos de Jesus

E não endureçais os vossos corações (Hebreus 3.7-13)

O crente egoísta

A fé segundo Rubem Alves

Panorama do Novo Testamento: O Evangelho de João

Lidando com a traição e as injustiças da vida - o exemplo de José do Egito