Do cuidado com as más alianças

Rei Asa

As Escrituras Sagradas nos dão algumas histórias muito interessantes em que podemos extrair tremendas lições para as nossas vidas.

Uma destas histórias é a do rei Asa. Eu já fiz uma meditação acerca da vida dele que você pode ler clicando aqui.

O rei Asa foi alguém que começou muito bem sua carreira. No início, ele foi muito fiel a Deus, fez grandes reformas em Judá, e até levou o seu povo a fazer aliança com Deus: "Entraram em aliança de buscar o Senhor, Deus de seus pais, de todo o coração e de toda a alma" (2 Cr 15.12).

Ele também venceu muitas guerras e batalhas, e em todas eles, sempre confiou no Senhor, que lhe deu vitória (2 Cron 15.8).

Entretanto, ele cometeu um erro estratégico.

Sabemos pela história que o reino do norte (Israel) e o reino do sul (Judá) estavam separados desde o fim do reinado de Salomão. Asa reinava no sul, e Baasa, no norte. O norte mantinha aliança com o rei da Síria, mas Asa retirou os tesouros da casa do Senhor e do palácio real e os ofereceu para o rei da Síria, para que este rompesse aliança com o rei de Israel, e ainda fizesse guerra contra este.

E foi isso que ocorreu. Depois de receber o pagamento, o rei da Síria rompeu com  Israel e contra este guerreou, ferindo-o (2 Cron 16 4).

Humanamente falando, tudo certo. Asa foi inteligente e astuto, fez o que qualquer rei provavelmente faria.

Entretanto, nem tudo o que é humanamente estratégico e razoável é divinamente aceito.

Depois do ocorrido, Asa recebeu a visita de um profeta, Hananias, que o reprendeu por ter feito tal aliança.

O profeta lhe disse que, enquanto ele confiou no Senhor, venceu todas as batalhas, que eram exércitos muito mais fortes.

Entretanto, desta vez, Asa tentou vencer com recursos próprios, e ainda retirou tesouros da casa do Senhor e da casa do rei. Acredito que tal ato desonrou ainda mais o Senhor e o próprio reino de Judá.

É difícil, muitas vezes, não cairmos nesta tentação, de confiarmos mais em nós mesmos do que em Deus. Entretanto, não podemos nos deixar levar por tal tipo de ansiedade. Não podemos "esvaziar a casa do Senhor".

Hoje, a casa do Senhor somos nós, e não podemos nos esvaziar dos valores que o Senhor tem nos dado.

Fato é que, Hananias disse para Asa que "os olhos do Senhor estão sobre toda a terra, para mostrar-se forte para com aqueles cujo coração é totalmente dele" e ainda disse que, em fazer aliança com o ímpio rei da Síria, asa procedeu loucamente, e que agora haveria guerras sem fim contra ele (2 Cron 16.10).

Infelizmente, Asa, ao ser reprendido, não se arrependeu, e ainda castigou o profeta, colocando-o no cárcere.

Daí, podemos chegar a algumas conclusões

A primeira, é que não devemos nos aliar a qualquer um para vencer as nossas próprias batalhas. O Senhor não quer que nos aliemos aos ímpios desta terra, a pessoas sem valores a fim de que realizemos nossos objetivos principais.

A segunda é que, conforme já dito, nem tudo o que é humanamente razoável, é divinamente aceito. Era razoável a estratégia de Asa? Sim, era. Mas o Senhor aprovou? Não, não era o desejo do Senhor que tal coisa ocorresse. Asa deveria ter antes consultado ao Senhor.

A terceira é que, em todas as coisas, devemos confiar primeiramente em Deus. Creio que não é errado elaborarmos algumas estratégias humanamente falando, realizarmos diligentemente atos que nos levem a determinados fins, mas temos que estar sempre em parceria com o nosso Deus, buscando-lhe sempre a vontade, o que pode ser confirmada pela boca de outros irmãos piedosos que estiverem em nosso redor. Não podemos confiar simplesmente no braço da carne e nos esquecermos do Senhor.

Comentários

Mais visitadas do mês

Manaém, o colaço de Herodes

Aprendendo com os erros do Rei Amazias

Resenha da obra "Ego Transformado", de Tim Keller

Acolhei ao que é débil na fé - uma reflexão sobre romanos 14.1

Os discípulos ocultos de Jesus

E não endureçais os vossos corações (Hebreus 3.7-13)

O crente egoísta

A fé segundo Rubem Alves

Panorama do Novo Testamento: O Evangelho de João

Lidando com a traição e as injustiças da vida - o exemplo de José do Egito